BANCADA DIRECTA: Mundo Policiario 4. Historias de policias e ladrões e outros incidentes afins a cargo de Antonio Raposo e sob a asa protectora da Detective Jeremias que o acolheu no seu "Policiário de Bolso". Publicamos hoje o 4º episódio

domingo, 14 de fevereiro de 2016

Mundo Policiario 4. Historias de policias e ladrões e outros incidentes afins a cargo de Antonio Raposo e sob a asa protectora da Detective Jeremias que o acolheu no seu "Policiário de Bolso". Publicamos hoje o 4º episódio


4º Episódio

O cabo Jeremias e os ciganos

(texto deixado escrito e assinado pelo cabo Jeremias, no seu “soi disant” caderno de memórias).


Quero desde já fazer uma declaração de interesses: não tenho nada contra os ciganos, nem contra os pretos nem contra os romenos, não os discrimino. Quando é para dar porrada levam todos sem discriminação!

Para mim não são raças menores pelo simples facto de não serem raças, são etnias. Ora eu não sou racista, sou contra as etnias. Faz toda a diferença. Não é pecado, nem ilegal. O meu nome é Jeremias. Sou o cabo Jeremias − cabo de esquerda do posto do Alto do Pina.

Pratico a religião católica, quando não estou de serviço. Serviço é serviço, conhaque é conhaque. Mai nada! Ando a estudar à noite psicologia numa dessas Universidades Novas que dão o canudo com uma certa elasticidade visto que o que o País precisa é de gente formada! Gente culta, por assim dizer. Melhor dizendo gente acanudada.

Mesmo para dar porrada é preciso um curso! Vejam lá! Para lidar com a etnia cigana é preciso dominar a técnica do toca e foge. Um misto de candomblé, de kung-fu e taekwondo com um cheirinho de karaté. Por causa dessa etnia que dizem os conhecedores tem origem na longínqua Índia, daí a cor meio monhé dos ciganos que muitos dizem ser resquícios dos indianos mas que eu penso seriamente ter origens nos sóis do Alentejo, nas feiras a vender burros.
Certo certo é que eles usam facas afiadas, adoram rixas e usam golpes baixos. Por mor disso, no meio duma refrega que me vi no ano passado, acabei no hospital de Beja com uma facada num testículo que me levou a ser cerzido, pacientemente, por uma moça enfermeira uma boa hora, a frio. Foram bem uns dez centímetros de ponto cruz. Não vos conto as dores que tive.

Não as desejo ao meu maior inimigo! É por essas e por outras que não gosto particularmente da etnia cigana. E tenho as minhas razões. Agora já não me apanham. Uso as mesmas defesas que os guarda-redes do hóquei em patins umas “coquilles”.

Como se fossem duas cascas de nozes. Agora já não há cigano que me meta medo! Venham eles! Quantos são? Quantos são?

 A. Raposo

Publicada por Detective Jeremias no blogue "Policiário de Bolso"

Sem comentários:

Obrigado Pela Sua Visita !