BANCADA DIRECTA: Mundo Policiário. Historias de policias e ladrões e outros incidentes afins a cargo de Antonio Raposo e sob a asa protectora da Detective Jeremias que o acolheu no seu "Policiário de Bolso".

sábado, 30 de janeiro de 2016

Mundo Policiário. Historias de policias e ladrões e outros incidentes afins a cargo de Antonio Raposo e sob a asa protectora da Detective Jeremias que o acolheu no seu "Policiário de Bolso".



1º EPISÓDIO:

O CABO DE ESQUADRA  JEREMIAS (uma história policial a preto e branco )



Lisboa, nos anos cinquenta, era uma cidade com pessoas, coisa que se foi entretanto perdendo. Os casais novos mudaram-se, nos anos sessenta, para as casas da periferia, de rendas mais baratas. Nesses tempos vivia-se em bairros populares.

O operariado era numeroso e vindo em grande parte da província. A escolaridade era curta e breve, quando era.

Para se ingressar na Polícia, na GNR era preciso saber ler e escrever e depois a 4ª classe. Ao bairros de barracas circundavam a cidade. Eram conhecidas algumas zonas onde a água canalizada era o chafariz mais próximo, as casa de banho era o “lá vai água” quando os bispotes eram atirados das janelas para a rua.
Quando chovesse a água levava… Lisboa levou muitos anos a ter chamadas condições base de higiene generalizadas. As esquadras de polícia nos bairros populares tinham uma actividade enorme e era o “Sempre em festa”, As rixas entre os vizinhos era o dia a dia. A faca era a arma de agressão mais usada.

Na esquadra do Alto do Pina, imperava o cabo Jeremias. Era o cabo de esquadra. Tinha vindo aos vinte anos para a tropa. Fez a 4ª classe no quartel da graça em Transmisões. Concorreu à Polícia,estagiou em Campo de Ourique e acabou nomeado cabo de esquadra do Alto do Pina. Era uma esquadra muito animada pela etnia cigana que se amontoava na Picheleira, um bairro de barracas na zona ocidental de Lisboa.



A policia naquele tempo andava sempre a enxotar das ruas as varinas e restantes vendedores ambulantes. Era conhecida a frase viperina atirada a uma varina levada pelo braço para a esquadra: − Ó Micas, vais presa? − Não, vou dormir com o chefe

 O cabo de esquadra Jeremias ficou na história da esquadra pela forma expedita como resolvia as contendas − sempre à porrada!


A. Raposo. 
Publicado por Detective Jeremias (blogue Policiário de bolso)

Eis os autores destes temas. (Por enquanto ainda estão em liberdade)


1 comentário:

Policiário de Bolso disse...

O Policiário de Bolso agradece a divulgação dos contos do Cabo de Esquadra. Muito Obrigado!

Obrigado Pela Sua Visita !