BANCADA DIRECTA: Por esta Europa unida, mas movida por interesses financeiros dos países mais ricos e escravizando os mais pobres, ainda há comportamentos dignos de “Histórias da Carochinha”! O nosso cronista Dom Paio Peres Correia diz de sua justiça e não é nada meigo nos adjectivos…….

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Por esta Europa unida, mas movida por interesses financeiros dos países mais ricos e escravizando os mais pobres, ainda há comportamentos dignos de “Histórias da Carochinha”! O nosso cronista Dom Paio Peres Correia diz de sua justiça e não é nada meigo nos adjectivos…….


Por esta "Europa Unida", mas movida por interesses financeiros dos países mais ricos e escravizando os mais pobres, ainda há comportamentos dignos de “Histórias da Carochinha”! 

O nosso cronista Dom Paio Peres Correia diz de sua justiça e não é nada meigo nos adjectivos……. 

HISTÓRIAS DA CAROCHINHA (um conto infantil para adultos com sérias reservas) 


Era uma vez um grupo de países que viviam muito quentinhos alinhados e encostadinhos uns aos outros. E faziam isso regularmente.

Não se pode dizer que todos eles eram amigos.

Regularmente andavam todos à sacholada, depois à fisgada e finalmente a deitar umas coisas oblongas a que chamavam bombas.

Não se pode dizer que todos eles eram amigos. Regularmente andavam todos à sacholada, depois à fisgada e finalmente a deitar umas coisas oblongas a que chamavam bombas. 

Nunca chegaram a usar bombas “Antónias” porque isso acabava por se espalhar e eles próprios levavam com a fumaça. Um dia – passados muitos anos – quando o índice civilizacional diziam, tinha já atingido elevados valores, resolveram juntar-se e fundar uma União. A ideia era boa, mas o género humano é do piorio e acaba por estragar tudo, sempre por causa do mesmo tema: o dinheiro! 

A ganância parece que é coisa que anda colado ao ADN e como uns grupos tinham mais dinheiro que os outros, os mais ricos não queriam lá os mais pobres porque cheiravam mal. Racistas é o que eles eram e são e vai daí arranjaram forma de levar à miséria o País que serviu de modelo outrora. 

O País dos grandes filósofos. Chegaram ao ponto de só lhe emprestarem dinheiro ( a juros loucos) se eles lhes vendessem tudo o que tinham: monumentos, portos, empresas – quiçá a alma. 

No meio daqueles indivíduos que já se esqueceram que durante a II guerra mundial andaram de calças na mão e foram humilhados….anda aquele aspirante a nazi de cadeira de rodas a vomitar ódios que mais parece belzebu. 

Outros países mais a sul, estão de tanga e venderam os dedos e os anéis têm o azar de ter à frente do governo indivíduos com forte dose de cataratas que só lhes dá para andar atrás de uma gorda alemã com fama de mau génio. Há quem goste de ficar na história como os lambe botas. 

Envio um abraço para os meus amigos 

Dom Paio Peres Correia 

Lisboa. 2015. Fevereiro. 10

1 comentário:

luis pessoa disse...

Só é pena na nossa história o João Coelho(ão) não cair no caldeirão da sopa...

Obrigado Pela Sua Visita !