BANCADA DIRECTA: As diferenças e as semelhanças entre Passos Coelho e Marinho e Pinto. É que o Passos não admite striptease de forma alguma e o Marinho quer fazer striptease mas de cachecol ao pescoço. Do advogado nem me interessa saber qual o seu vencimento em Bruxelas (toda a gente sabe qual é), mas saber o que declarou ao fisco e sua consistencia bancaria nos ultimos 20 anos.

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

As diferenças e as semelhanças entre Passos Coelho e Marinho e Pinto. É que o Passos não admite striptease de forma alguma e o Marinho quer fazer striptease mas de cachecol ao pescoço. Do advogado nem me interessa saber qual o seu vencimento em Bruxelas (toda a gente sabe qual é), mas saber o que declarou ao fisco e sua consistencia bancaria nos ultimos 20 anos.

As diferenças e as semelhanças entre Passos Coelho e Marinho e Pinto.
É que o Passos não admite striptease de forma alguma e o Marinho quer fazer striptease mas de cachecol ao pescoço.
Do advogado nem me interessa saber qual o seu vencimento em Bruxelas (toda a gente sabe qual é), mas saber o que declarou ao fisco e sua consistencia bancaria nos ultimos 20 anos.

Eis a noticia
Ontem em Coimbra o ex-bastonário dos advogados lançou o seu Partido Democratico Republicano na presença de 300 pessoas. Claro que é o seu principal fundador e no mesmo dia em que comemorava a implantação da Republica Marinho e Pinto , (64 anos)  empolgado e de que maneira, atacou durante uma hora em varias frentes desde os Parttidos, passando pelos Deputados, Governantes e Comunicação Social
 
Aos 64 anos, António Marinho e Pinto, ex-bastonário da Ordem dos advogados e deputado europeu, não defraudou as cerca de 300 pessoas que esta tarde assistiram ao lançamento do partido de que é fundador: o Partido Democrático Republicano.

No dia da República, numa empolgante intervenção de quase uma hora, Marinho e Pinto atacou em todas as frentes, dos partidos políticos, aos deputados, governantes da nação e comunicação social.

Defensor de um novo projeto político, Marinho e Pinto prometeu lutar pelo aprofundamento da democracia participativa, a nível político, económico e social, a única via para inverter "o suicídio do país".
Entre as mudanças anunciadas, o deputado europeu propõe-se criar um partido de serviço público e por cobro ao "regabofe" que mina as atuais estruturas partidárias. "Queremos por termo ao monopólio dos partidos, fechados sobre si próprios, e que de forma execrável se têm colocado ao serviço dos seus agentes e das suas clientelas".

"Beneficiam as suas castas e não o bem comum", sublinha o deputado europeu, que avisa que esta semana irá publicar no site do novo partido todos os seus seus vencimentos do Parlamento Europeu: "Vou fazer o striptease que outros se recusam a fazer. Não tenho nada a esconder em relação ao chorudo salário que me pagam", acrescenta.
Ora, assim também eu: o vencimento de eurodeputado é público.

Se Marinho Pinto quer mesmo entrar por aí, terá que mostrar os movimentos bancários dos últimos 20 anos, incluindo vencimentos privados, que afinal é disso mesmo que se trata.

Vamos lá, então ao striptease de MP

SUBSÍDIOS E SUBVENÇÕES
  • Subsídio mensal: o vencimento bruto de um eurodeputado são €7 956,87; após imposto comunitário e contribuição para seguro, desce para €6 200,72, sobre os quais os Estados-membros podem aplicar impostos nacionais;
  • Subsídio "de estadia": são €304 para cobrir despesas (de alojamento e despesas conexas) por cada dia que os deputados compareçam em reuniões oficiais, desde que assinem um registo de presença. Pela comparência em reuniões fora da UE, recebem €152 (mais reembolso das despesas de alojamento).
  • Despesas de viagem: os deputados têm direito ao reembolso do custo das viagens para participar nas reuniões plenárias (em Bruxelas ou Estrasburgo) ou outras, decorrentes do exercício do cargo, mediante apresentação dos recibos ou a €0,50 por km (a que acrescem outras despesas de viagem), se a viagem for efectuada em automóvel privado.
  • Subsídios para despesas gerais: são €4 299 mensais, para "cobrir despesas no Estado-membro de eleição", como, por exemplo, os custos de gestão de um gabinete, telefone, correio ou material informático;
  • Despesas com pessoal: os deputados podem escolher o seu staff e, para tal, têm disponível um máximo de €21 209 mensais, pagos directamente aos colaboradores. Um quarto deste orçamento (no máximo) pode ser usado para pagar serviços, como a realização de estudos técnicos.
  • Escola Europeia: os filhos dos deputados têm acesso à Escola Europeia, que podem frequentar gratuitamente, com total equivalência ao sistema de ensino português.
  • Pensão: os antigos deputados têm direito a uma pensão de aposentação, ao atingirem 63 anos. A pensão ascende a 3,5% do subsídio por cada ano de mandato, até ao limite máximo de 70% do vencimento.

Sem comentários:

Obrigado Pela Sua Visita !