BANCADA DIRECTA: Retrato da arte de ser popularista e daí tirar proventos substanciais

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Retrato da arte de ser popularista e daí tirar proventos substanciais

Retrato da arte de ser popularista e daí tirar proventos substanciais 

«(...) O antigo bastonário foi mestre na mais fina arte populista: a caça ao voto com o tiro aos políticos. O que é surpreendente nesta história é que Marinho não tenha sequer aguentado 3 meses sem se revelar, ele mesmo, a mais perfeita representação dos políticos que caricaturava. 

Marinho Pinto pediu os votos para o MPT, que hoje admite ter usado apenas como barriga de aluguer, apresentando-se como de esquerda, apesar de hoje estar integrado no grupo europeu dos liberais. Bem sabemos que foi uma solução de recurso. Os Verdes europeus - a primeira escolha - é que não levaram muito a bem a declarações homofóbicas do então candidato português. 

Marinho e Pinto prometeu ser um "formiguinha" em Bruxelas, mas já disse que não cumprirá o mandato para se poder candidatar às legislativas e, logo a seguir, às presidenciais. O formigueiro de Bruxelas não era senão um trampolim político . Marinho Pinto foi eleito porque denunciava os privilégios dos políticos, os seus salários e regalias. 
Cresceu com o "são todos iguais". Hoje, acha que o salário de eurodeputado é "vergonhoso" mas que, por via das dúvidas, vai mantê-lo até saber se consegue ser eleito deputado nacional. Um sacrifício pela pátria, está visto, já que o salário de bastonário, €4800, "não dá para muito", e muito menos o de deputado nacional, muito abaixo desse valor. E é assim que, em pouco mais de três meses, Marinho e Pinto consegue contrafazer tudo o que prometeu em campanha. 

O seu populismo revelou-se inversamente proporcional ao contributo político que teve para oferecer. Ainda não vimos o deputado europeu a lutar por menos impostos, por salários dignos, por mais direitos. Até agora, só a atrocidade de lamentar um salário de €4800 no mesmo país em que a média das pessoas não ganha mais de €900, e que mais de meio milhão vive com €485 mensais. 

O populismo que toma os políticos como um todo, que se alimenta do descontentamento popular oferecendo respostas fáceis, exagerando os factos, encontrando bodes expiatórios, em nada contribui para a democracia. 

Sem comentários:

Obrigado Pela Sua Visita !