BANCADA DIRECTA: O nosso cronista “Olho Vivo e Pé Ligeiro” diz de sua justiça. E refere que estamos na presença de várias verdades relativas a bancos, a banqueiros e a outros pantomineiros

segunda-feira, 7 de julho de 2014

O nosso cronista “Olho Vivo e Pé Ligeiro” diz de sua justiça. E refere que estamos na presença de várias verdades relativas a bancos, a banqueiros e a outros pantomineiros

O nosso cronista “Olho Vivo e Pé Ligeiro” diz de sua justiça. 
E refere que estamos na presença de várias verdades relativas a bancos, a banqueiros e a outros pantomineiros 

OS BANCOS, OS BANQUEIROS E OUTROS PANTOMINEIROS 


Dizia alguém que sabia do que falava que a melhor maneira de roubar um banco era ir para a sua gerência. 

Sabemos como – desde sempre a Banca e a sua influência – o dinheiro, gostaram de mandar no mundo. 

Essa história de dizer-se que a política manda na economia até pode ter pernas para andar mas no fim da escada e no topo de tudo está a finança. Com ela a sua amiga Banca. Nunca vos deu para perguntar porque é que os “off-shores” ainda não fecharam? É lá que o dinheirito sujo se refugia e salta depois limpinho para o meio de nós. 

Quantos políticos já tiveram a “lata” de dizer que desejavam acabar com os off-shores? Cada político afirma que sozinho não pode acabar com eles porque só acabaria com os do seu próprio País. Alguém, e muito menos esta linda Europa que nos desgoverna quis fazer o menor esforço nesse sentido? 

Nem podia. Por uma razão muito simples. Quem manda nos políticos são os homens da Banca/Finança. Nós votamos – a Europa vota – e depois não sucede nada. É tudo para dar a ilusão que o voto é a arma do povo. Não queriam mais nada. Os grandes grupos financeiros que se formaram já lá vão uns belos anitos, dominam o mundo. Reúnem-se e decidem o que farão. Elem mandam e nós votamos. 

Vejam o que sucedeu e está a suceder ainda na Banca Portuguesa. Enquanto a bolha aguentou uma economia de casino, ganharam-se milhões. Ganharam os banqueiros – claro! Depois a criança caiu-lhes nos braços e foi o que vimos. Nós (os votantes) é que pagámos e estamos a pagar as loucuras dos banqueiros. Que emprestavam/davam dinheiro aos amigos – era só pedir nem precisava ter crédito! 

E depois vieram uns senhores muito conhecedores do fenómeno económico – ilustres professores de economia da nossa praça – dizer que vivemos acima das nossas possibilidades! Que grande falácia. Deveriam agora dizer que estamos a pagar acima das nossas possibilidades, isso sim. Esta sociedade está construída sob um terreno pantanoso. 

Parece o jogo da Dona Branca, em que todos ganham até ao momento em que todos começam a perder. Eu costumo dizer – com alguma ironia – que o dinheiro não é fêmea – e que portanto não se reproduz A menos que se jogue na bolsa, e mesmo aí o dinheiro não produz riqueza nenhuma, Na bolsa só se produz especulação. A riqueza só se obtém com o trabalho. Sem trabalho não há riqueza. 


Por isso, como diz quem sabe, que a mais valia obtida deve ser dividida, equitativamente, entre o capital e o trabalho. Ponto final. E no nosso pequenino Portugal, pelo que tenho visto nos últimos 30-40 anos é o domínio completo destes senhores muito bem vestidos, penteados, e cheios de iates e casas de campo, a brincar connosco e a fazer com que paguemos todas as crises que eles criarem.

 Já viram como se divide hoje o valor do PIB? Vejam! Se isto não é capitalismo selvagem, não sei o que será. A palavra democracia já na Grécia antiga não chegava a todos. Mas, a mim não me enganam eles. 

Um abraço para os meus caríssimos leitores 
“Olho Vivo e Pé Ligeiro” 
Lisboa. 2014. Julho. 07

Sem comentários:

Obrigado Pela Sua Visita !