BANCADA DIRECTA: José Carlos Ary dos Santos. Faz hoje 30 anos que nos deixou. Uma perda muito sentida pela musica portuguesa

sábado, 18 de janeiro de 2014

José Carlos Ary dos Santos. Faz hoje 30 anos que nos deixou. Uma perda muito sentida pela musica portuguesa

 In memoriam 
José Carlos Pereira Ary dos Santos nasceu em Lisboa em 7 de Fevereiro de 1937 e faleceu nesta mesma cidade em1984 a 18 de Janeiro. 
Se fosse vivo teria hoje 77 anos de idade. 
Partiu muito cedo! 

Ficou na História da música portuguesa por ter escrito poemas de 4 canções vencedoras do Festival Eurovisão da Canção: Desfolhada Portuguesa (1969), com interpretação de Simone de Oliveira, Menina do Alto da Serra (1971), interpretada por Tonicha, Tourada (1973), interpretada por Fernando Tordo e Portugal no Coração (1977), interpretada pelo grupo Os Amigos. Com Fernando Tordo escreve mais de 100 poemas para canções do músico e o duo Tordo/Ary continua a ser, até hoje, um dos mais profícuos da História da Música Portuguesa. 

São de suas autorias canções intemporais como Tourada, Estrela da Tarde, Cavalo à Solta, O amigo que eu canto, Café, Dizer Que Sim à Vida e Rock Chock. Estas canções foram interpretadas por cantores como Fernando Tordo, Carlos do Carmo, Mariza, Amália Rodrigues, Mafalda Arnauth e Paulo de Carvalho. 
Lisboa. Freguesia de Santiago. Rua da Saudade nº 23 r/c

Proveniente de uma família da alta burguesia, com antepassados aristocratas, era filho do médico Carlos Ary dos Santos (1905-1957) e de Maria Bárbara de Miranda e Castro Pereira da Silva (1899-1950). 

Estudou no Colégio de São João de Brito, em Lisboa, onde foi um dos primeiros alunos. Após a morte da mãe, vê publicados, pela mão de vários familiares, alguns dos seus poemas. Tinha catorze anos e viria, mais tarde, a rejeitar esse livro. Ary dos Santos revelaria, verdadeiramente, as suas qualidades poéticas em 1954, com dezasseis anos de idade. 

Várias poesias suas integraram então a Antologia do Prémio Almeida Garrett. Pela mesma altura, Ary abandona a casa da família. Para seu sustento económico exerce as mais variadas actividades, que passariam pela venda de máquinas para pastilhas elásticas, até ao trabalho numa empresa de publicidade. 

Não cessa de escrever e, entretanto, dá-se a sua estreia literária efetiva, com a publicação de A Liturgia do Sangue (1963). Em 1969 adere ao Partido Comunista Português, com qual participa activamente nas sessões de poesia do então intitulado Canto Livre Perseguido. 

Retrato de Amigo 

Por ti falo. E ninguém sabe. 
Mas eu digo meu irmão 
Minha amêndoa, 
Meu amigo 

Meu tropel de ternura, 
Minha casa 
Meu jardim de carência 
Minha asa. 

Por ti morro e ninguém pensa. 
Mas eu sigo um caminho de nardos empestados

Sem comentários:

Obrigado Pela Sua Visita !