BANCADA DIRECTA: Afinal Cavaco é ou não é o presidente de todos os portugueses? Realça-se o seu silencio perante a morte de bombeiros e muitos feridos com grande sofrimento. Mas também se pode realçar a pressa com que lamentou a morte de Antonio Borges, companheiro de partido, e as suas condolências à familia. Bem pode agora repetir as suas condolências pela mortes dos bombeiros.

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Afinal Cavaco é ou não é o presidente de todos os portugueses? Realça-se o seu silencio perante a morte de bombeiros e muitos feridos com grande sofrimento. Mas também se pode realçar a pressa com que lamentou a morte de Antonio Borges, companheiro de partido, e as suas condolências à familia. Bem pode agora repetir as suas condolências pela mortes dos bombeiros.

Afinal Cavaco é ou não é o presidente de todos os portugueses? 
Realça-se o seu silencio perante a morte de bombeiros e muitos feridos com grande sofrimento. 
Mas também se pode realçar a pressa com que lamentou a morte de Antonio Borges, companheiro de partido, e as suas condolências à familia. 
Bem pode agora repetir as suas condolências no seu Facebook pela mortes dos bombeiros. 

 Cavaco é o presidente e de todos os portugueses, quer votassem nele ou não. Deveria ser. Disso ninguém tenha dúvidas Que tenha publicamente demonstrado o seu pesar pela morte de António Borges, parece-me normal. 


O que não é normal é que não tenha tido a mesma atitude pública perante a morte de três bombeiros - mais uma dezena de feridos -, três bombeiros que morreram a combater o fogo, a defender as populações que o presidente supostamente representa. Cavaco Silva concretamente não tornou publicas as suas condolências que alegadamente endereçou às corporações dos bombeiros a que pertenciam os falecidos. 


Aos olhos da opinião pública cheira a esquecimento. Foi um deslize seu. Hoje uma fonte veio dizer que os votos já foram dados em privado. Mas a verdade é que  o presidente da República achou por bem tornar públicas as condolências à família de António Borges e não o fez em relação às famílias dos bombeiros. Lamentável!


A estatura moral de Cavaco Silva não fica de modo algum beliscada. Aliás o povo nem fica surpreendido. Já está habituado a que não seja um bom pai para o seu povo. Deveria ser. 

Alguém escreveu num blog que os bombeiros para Cavaco são filhos de um Deus menor. Mas meus caros leitores podem crer que o não são. Os bombeiros deste país são a melhor coisa do mundo que temos ao nosso dispor. E eles correspondem com actos de abnegação e heroísmo. 

Que o diga a Ana Rita Pereira e todos aqueles que deram a sua vida no cumprimento da sua missão 


Bem Hajam!.

3 comentários:

luis pessoa disse...

Espero e desejo que esta mensagem seja jocosa, porque tudo o que é dito sobre Cavaco é absolutamente MENTIRA. O presidente do caso BPN, da casa da Coelha trocada através de empresas do BPN, que não interrompeu férias para o funeral do nosso único Nobel da Literatura, que deixa passar e apadrinha medidas criminosas contra as populações, NÃO SERÁ NUNCA UM PRESIDENTE DE TODOS OS PORTUGUESES.
E agora limitou-se a mostrar mais uma vez a sua verdadeira cara.
Um presidente a sério, teria dado a cara e publicamente elogiado e incentivado os Bombeiros, não só pelo que fazem, mas pelo que representam hoje!
Um presidente a sério teria pedido esclarecimentos sobre a perda de vidas. Um Bombeiro não pode ser trocado pela defesa de meia dúzia de bens. Um Bombeiro não tem que ser lançado em combates inúteis, para evitar que dois barracões ou uma casa ardam. Em países civilizados, os Bombeiros fazem tudo para salvar VIDAS e o razoável pelos bens, se for possível sem arriscar, muito bem, se houver risco, deixa arder. O combate é de espera. Os Bombeiros definem a linha de defesa e é aí que vão preparar os terrenos e as condições para um combate com garantias de eficácia. Pelo meio, retiram-se as pessoas (e os animais se for possível).
Nunca se pode perder um Bombeiro desta maneira. Nada do que havia por ali merecia aquela vida e para isso tem de haver responsáveis. As organizações de Bombeiros têm de explicar muito bem às populações que a sua missão é salvar vidas e por essas estão disponíveis para dar a sua, mas não vão dar a sua por casas, por televisões, por automóveis e afins.
Está tudo mal e o inquilino de Belém, com rendas pagas por nós, tem vergonha de ser associado aos Bombeiros.
Uma tristeza|

O tipo que morreu o tal Borges que mereceu elogios resgados e PÚBLICOS do designado presidente, não deixa saudades e certamente deixou uma boa fortuna, que os seus familiares não terão de ir bater à porta da Caritas.
Já a bombeira e os outros bombeiros, deixarão apenas uma recordação saudosa em todos e famílias destroçadas e com imensas dificuldades para sobreviverem.
Isto é Portugal!

Adriano Ribeiro disse...

Caro Luís
Algumas dificuldades em manusear um computador que não é o meu desvirtuaram em parte este texto.
Eu acho mal que os bombeiros percam tempo em salvar habitações cujos proprietários revelam desmazelo na limpeza de matos em redor de suas casas e amontoem toda a especie de detritos inflamáveis nos logradouros anexos e muitas vezes encostados às paredes, tal como se vê em muitas reportagens. O desmazêlo e a preguiça terão de ter o seu preço.
Abraço
Adriano Rui Ribeiro

luis pessoa disse...

Caro Adriano, não é o desmazelo e sujidade de matos que determina a minha opinião sobre estes casos. Um Bombeiro é um activo que tem de ser defendido. É um agente altamente qualificado para atacar os incêndios no terreno onde eles devem ser atacados. Numa guerra, quando há um conflito, não são mandados para lá a eito militares, procura-se o melhor modo de proceder ao ataque, com o mínimo de baixas e o máximo de hipóteses. Isso é estratégia! Todos nos lembramos dos ataques dos índios americanos às caravanas, rodando em círculos, sendo abatidos um a um por armas mais poderosas. Mais tarde já não atacavam assim.
Os Bombeiros é igual. Se deflagra um incêndio florestal, a primeira preocupação tem de ser as pessoas. Num país como o nosso em que cada qual faz casas onde quer, sem água nem esgotos, há que evacuar toda essa gente e retirar animais, se for possível. Entretanto há que estudar a evolução provável do incêndio e determinar o local de combate efectivo. Aí, cavar valas, derrubar árvores, colocar o arsenal de combate, mobilizar meios aéreos, pedir auxílio a militares ou populares. Ir monitorizando o incêndio, observar possíveis desvios do mesmo, acudir a outras populações que possam estar em risco, etc.
Nunca entrar na defesa de bens. Os bens defendem-se se for possível fazê-lo sem risco de morte ou ferimento do Bombeiro. Para esses bens há seguros e nenhum bem vale uma vida, muito menos de um Bombeiro.
Claro que para as populações atingidas,o Bombeiro tem que estar lá, tem que ir defender o que custou o ter, etc., mas não pode ser assim e essa é a grande luta informativa que tem de ser desenvolvida.

Obrigado Pela Sua Visita !