BANCADA DIRECTA: Como vai Portugal no "olhar" dos outros. Espanha e Inglaterra ( e não só) estão especialmente a olhar para a situação financeira em Portugal

terça-feira, 9 de abril de 2013

Como vai Portugal no "olhar" dos outros. Espanha e Inglaterra ( e não só) estão especialmente a olhar para a situação financeira em Portugal

Como vai Portugal no "olhar" dos outros. 
Espanha e Inglaterra estão especialmente a olhar para a situação financeira em Portugal 

O pesadelo continua, escreve o "El País" Jornais espanhóis e britânicos seguem de perto a situação portuguesa. Pesadelo e abismo são algumas das expressões usadas. "Com o país na expectativa, o primeiro-ministro luso, o conservador Pedro Passos Coelho, numa solene alocução televisiva, informou os portugueses de que o pesadelo continua".

É assim que começa o artigo do corresponde do correspondente do "El País" em Lisboa Antonio Jiménez Barca sobre a última aparição pública do chefe do Governo português. Para compensar a despesa com os subsídios de férias de funcionários públicos, reformados e pensionistas, o jornalista lembra que o Governo irá agora cortar na educação, na saúde, nas prestações sociais e nas empresas públicas. Antonio Jiménez Barca falou com uma professora de português, Paula Tomás, 56 anos, que ficou tão satisfeita a notícia de que voltaria a receber subsídio de férias, como desconfiada com o seu efeito.

"Vamos ver por onde vai o Governo porque, afinal, são sempre os mesmos a pagar", disse Paula Tomás ao jornalista do "El País". O espanhol "El Mundo" dedica o editorial desta segunda-feira à situação portuguesa, perspetivando o seu impacto no país vizinho. "A sentença do Tribunal Constitucional de Portugal, que deixou o país vizinho à beira do abismo, provocou um conflito político e jurídico de consequências nefastas para a Europa, em especial, para Espanha", escreve o editorialista. "Grande pacote de estímulo"

O britânico "Financial Times", citando fonte governamental, escreve que em resposta ao chumbo do Tribunal Constitucional poderá ser anunciado nos próximos dias "um grande pacote de estímulo" para aumentar o crescimento da economia, em recessão há três anos. O conceituado jornal britânico falou ainda com um diplomata do sul da Europa que sob anonimato lembra que Lisboa poderá perder o apoio financeiro da União Europeia:


"Se não cumprirem os termos do resgate e se afastarem das medidas de austeridade que prometeram implementar, será mais difícil para os ministros das Finanças da União Europeia dar-lhe mais dinheiro". A situação em Portugal está também em grande destaque no site do "The Guardian". O conceituado jornal britânico segue os acontecimentos ao minuto.


Numa das últimas publicações cita as palavras do ministro das Finanças alemão a uma rádio da Baviera, esta manhã. "Portugal fez grandes progressos no último ano para regressar aos mercados financeiros, mas depois desta decisão [do Tribunal Constitucional] terá de encontrar novas formas [de lá chegar]", disse Wolfgang Schäuble. Portugal pior do que Espanha

Do outro lado do Atlântico, o "The New York Times" também noticiou a situação portuguesa enquadrando-a na crise da Zona Euro. "Algumas semanas depois dos líderes europeus terem estancado uma crise bancária em Chipre, os problemas da zona euro voltam a preocupá-los, desta feita em Portugal", pode ler-se no jornal norte-americano. Este prestigiado diário nova-iorquino lembra o esforço do Partido Popular espanhol, atualmente no Governo, para se demarcar da situação em Lisboa.

"Espanha não está na situação de Portugal", disse Esteban González Pons do PP espanhol, acrescentado: "Se Portugal está em pior do que Espanha é porque não tomou as medidas necessárias que nós já adotamos".



2 comentários:

luis pessoa disse...

Agora, meus Amigos, TODA a Europa se demarca de Portugal!!!!
TODOS dizem: NÓS NÃO SOMOS PORTUGAL!!

Isso não nos lembra nada?
Seremos tão desmiolados e idiotas que não percebamos, de vez?

DEPOIS DE DOIS ANOS PERDIDOS, AINDA HÁ QUEM PENSE QUE ESTAMOS NO BOM CAMINHO?

Até o cavalheiro que mora em Belém?

luis pessoa disse...

Felizmente há uma Constituição que impede criminosos de fazerem o que querem e de governarem contra tudo o que prometeram em campanha eleitoral.

Estes criminosos terão de ser julgados no Tribunal Internacional por crimes contra a Humanidade por terem uma agenda criminosa contra quem os elegeu e, com o pretexto de serem bons alunos, entregarem o país a que pertencem em mãos estrangeiras, roubando recursos aos cidadãos para pagar pseudo-dívidas a usurários internacionais.

Confirma-se, agora, TUDO o que escrevemos no passado recente!
Agora, quando o bando da pilhagem se reúne em torno de Belém e de lá recebe a benção, o Hino Nacional dá-nos a fórmula:
Às armas! Às armas!

Obrigado Pela Sua Visita !