BANCADA DIRECTA: O Detective Tempicos e amigos voltam a atacar. Desta vez estão nas Caraíbas e desenvolvem “Uma Saga Portuguesa”. 1º Episódio. Titulo: O bonito papagaio da Ginginharnes Autor: Onaírda

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

O Detective Tempicos e amigos voltam a atacar. Desta vez estão nas Caraíbas e desenvolvem “Uma Saga Portuguesa”. 1º Episódio. Titulo: O bonito papagaio da Ginginharnes Autor: Onaírda

O Detective Tempicos e amigos voltam a atacar. 

Desta vez estão nas Caraíbas e desenvolvem “Uma Saga Portuguesa”. 
1º Episódio.
Titulo: O bonito papagaio da Ginginharnes 
Autor: Onaírda 

A nossa história começa no terminal de chegadas do aeroporto de Castries City na Ilha de Santa Lúcia, ali muito bem situada no mar de Caribbe. Um grupo de viajantes oriundos desta terra lusitana desembarcava na ilha, admirados com as paisagens idílicas que tinham mirado das herméticas janelas do avião. 

E como não tinham sobrevoado a parte sul da Ilha, não viram as elevações do “Belle Vue”, mas já havia uma orientação que a sua estadia na ilha seria nesta zona, mais precisamente na localidade de Soufriere, um pouco mais a norte das duas elevações. 

Tinha sido o Clorianus a traçar esta orientação. Curiosamente este comparsa “tieta agrestino” tomou o comando do grupo, em detrimento do Detective Tempicos, um pouco em baixa de forma devido às suas lucubrações alcoólicas. 

Tempicos andava sempre nas lonas, mas o dinheiro que auferia como colaborador do blogue Bancada Directa era todo empregue na compra de Whisky, daquele barato que se vende por aí numa cadeia de lojas alimentares oriundas dos teutónicos donos da Europa

Neste resort/hotel instalaram-se Tempicos e os seus amigos (Morgan Bay All

E sempre toldado pelo vapor “cereal/maltino” não dizia coisa com coisa. E não decidia nada e perdeu o comando do grupo. Mas louva-se a virtude de ter proporcionado a viagem do grupo ao Caribbe, porque lhe deram num sorteio duns quaisquer iogurtes uma viagem a Saint Lúcia e ele fotocopiou o original e arranjou bilhetes para todos. Ele bem dizia que tinha um amigo numa companhia low cost e que tinha conseguido arranjar bilhetes para todos ao preço módico de 1 euro cada. Ninguém acreditava mas como convinha lá embarcaram todos na maior. 

 Recuemos um pouco e vamos saber como esta história da viagem a Saint Lúcia de facto começou O grupo de condóminos do edifício das Escadinhas dos Baldaques tinha entrado em crise. O cónego Baltazar Novena tinha sido o culpado desta falência colectiva. Era um facto assente que ele tinha sido proibido pelo Vaticano de exercer actividades religiosas. 


Decisão incompreensível, pois além de ser um santo homem cheio de virtudes religiosas e amigo dos seus amigos, era um fiel devoto a Deus Nosso Senhor e estando no seu íntimo que mais cedo ou mais tarde seria beatificado. Tempicos ria-se deste desiderato na cabeça do cónego, pois incrível que pareça não era o Novena que confessava Tempicos mas sim o contrário. E Tempicos zurzia-lhe os miolos e dando-lhe, invariavelmente no fim da confissão a penitencia na base de uma abstinência sexual absoluta nas variantes de pensamentos, palavras e obras. 

Ora como o Novena não dizia missa nas igrejas do bairro passou a rezá-las em casa. E tinha muitos clientes, que até deu para comprar umas “alfaias religiosas” do melhor que havia nas lojas de santos da Rua do Crucifixo. E passou a fazer peditórios. E passou a não declarar ao fisco os rendimentos que advinham desta actividade. E, claro, alguém do condomínio farto daquelas aleluias, das antífonas e das oblatas que Novena sacava deu com a língua nos dentes. 

O fisco tomou conta do caso e pregou-lhe com a dose. Uma coima para cima de cinquenta mil euros. Todos os moradores baldaquianos solidarizaram-se e contribuíram para o pagamento da multa, e, claro, ficaram todos na penúria. Falidos melhor dizendo. 

 Com a fome a assentar arraiais nos condóminos Tempicos pela surra comprava iogurtes na Pastelaria Bijou da Rua Morais Soares e saiu-lhe a tal dita viagem ao Caribbe. O resto já se sabe da forma como a viagem acabou por ser feita por todos os moradores e seja o que Deus quiser lá em Saint Lucia. 

Esta era a zona que Clorianus queria que o grupo se instalasse. Elevações do Belle Vue a sul de Soufriére

Chegados ao aeroporto contactaram um táxi e perguntaram o preço para os levar até Soufriére. Claro que o dinheiro não era suficiente para o destino e ficaram por ali perto numa terrinha chamada Charlotte. Saíram do táxi todos amarrotados porque vinham em cima uns dos outros. Com garrafões, também amarrotados, nas mãos começaram a tomar consciência do buraco em que se tinham metido, mas Tempicos enquanto eles pensavam já tinha arranjado a solução para o buraco. 


Dirigiu-se a um Clube/Resort de férias ali pertinho e ofereceu à gerência os préstimos de um grupo de animadores portugueses para alegrar os dias e as noites dos hóspedes do resort.

Foram todos apresentados à gerência e Tempicos, criativo que era, determinou logo as funções para cada um. Assim os baldaquianos assumiriam novas identidades e funções da forma como segue. 


 Tempicos esquematizou o seguinte programa 


1- Ginginharnes, massagista de profissão com muito sucesso devido à eficiência das suas massagens, faria dupla com Gustavito o antigo toureiro. De dia a miúda do norte trabalharia massajando os clientes do resort e à noite com o seu papagaio faria a primeira parte da actuação do grupo em conjunto com o antigo toureiro Gustavito. 


O forte da actuação deste duo seria a arte de Gustavito em tourear o bonito papagaio da Ginginharnes, com verónicas, passes de peito e reboleras tudo com arte e valentia toureira. Não haveria estocada no papagaio, o que seria lamentável e ainda porque se poderia enganar e estoquear o recepcionista que era o Adrianovitch

A orla marítima de Charlotte. De dia Tempicos secava o bacalhau ao sol estirado nas espreguiçadeiras a pensar na melhor maneira de gerir um grupo de animadores improvisados.

2- A psicóloga Jeremias trabalharia em conjunto com o cónego Novena. O essencial deste duo era fazer rir os clientes, através de análises psicológicas ridículas e conselhos matrimoniais dadas pelo Novena ao espécime feminino, género quanto mais infiéis fordes ao casamento mais têm o Céu como certo. E para experiências físicas sobre o tema ele ofereceria os seus serviços. E de reserva haveria sempre o Tempicos, que andava ali para as curvas.

3- Buena Vida, o El Gitano, dando força ao seu estilo aparvalhado de cigano espanholado actuaria em danças de flamenco. A sua partenaire seria o Clorianus, que para o efeito teria de adquirir um vestido a preceito nas lojas de souvenirs lá da ilha. Clorianus não gostou lá muito da decisão de Tempicos, (dizia que era muito macho, e não queria perder o ritmo diário do vai e vem) mas teve de aceitar porque Tempicos tinha retomado com muita determinação a função de leader do grupo. 


4- Adrianovitch, parvo como sempre, seria o recepcionista nocturno e secretário de Tempicos, que como já se sabe era o coordenador do grupo


Em Charlotte, e de certeza por toda a ilha, viam-se papagaios por todo o lado.

Tudo corria às mil maravilhas ao fim de uma semana de actuações e já havia dinheirito gordo, quando sucedeu o impensável. Depois das suas actuações, Ginginharnes e El Gitano combinaram à socapa um affaire sigiloso e foram dançar até de madrugada muito enrabichadinhos. Estalou o verniz entre o grupo porque alegavam que tinham de ser informados de tudo o que aconteceria para lá do que se via durante o dia. E consta-se que um dos machos armou uma tremenda ciumeira. Estava-se mesmo a ver que a Ginginharnes era a mulher fatal do grupo. E no activo!

Tempicos mediou os conflitos e decidiu o seguinte…..

O 2º episódio será publicado no próximo Sábado 29 de Setembro.

Contribuições
Agradecemos ao caríssimo leitor Valdemar que nos enviou uma referencia, em seu entender, ao bonito papagaio da Ginjinharnes.(tradução não aconselhável). O nosso obrigado

Sem comentários:

Obrigado Pela Sua Visita !