BANCADA DIRECTA: Pingo Doce com descontos de 50% virou "Sem pingo de juízo", na opinião de Camilo Lourenço

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Pingo Doce com descontos de 50% virou "Sem pingo de juízo", na opinião de Camilo Lourenço




A tempestade humana no Pingo Doce. O economista Camilo Lourenço opina que é um facto “Sem pingo de juízo”

Sem Pingo de juízo


É este país, cercado de problemas, que perde um dia inteiro a discutir a promoção do Pingo Doce. Até na Assembleia da República

O país tem 15% (?) de desempregados. Está sob tutela externa. Não tem dinheiro para mandar cantar um cego. Está a fazer cortes brutais em áreas sociais, como Educação e Saúde. Está a ver se sai da recessão. É este país, cercado de problemas, que perde um dia inteiro a discutir a promoção do Pingo Doce. Até na Assembleia da República...

Faz sentido? A resposta desdobra-se em dois planos: o do consumidor e o da classe política. Primeiro o consumidor. Faz sentido criticar quem foi às compras? Não. O consumidor é racional e uma promoção de 50% (que devia ter sido preparada com mais cuidado, é verdade) faz diferença. Não perceber isso é ignorância.

Agora a classe política. A Jerónimo Martins violou a lei? Só se tiver feito “dumping”. E enquanto as autoridades (Autoridade da Concorrência, ASAE, tribunais) não se pronunciarem sobre isso, o assunto aconselha prudência. Foi o que fez a classe política? Não. Primeiro alguns deputados meteram os pés pelas mãos, tentando crucificar a Jerónimo Martins (ai os recalcamentos…!). Depois acabaram a afirmar que houve dumping, “substituindo-se” às autoridades. Pergunta: e se as autoridades concluírem que não houve dumping? Voilà: não acontece nada aos deputados. Têm imunidade…

Mas voltemos ao essencial: como é que uma promoção se transformou no principal assunto de discussão política? Não há assuntos mais importantes para tratar? Claro que há. Mas a matéria prestava-se ao folclore: dos sindicatos e da classe política, sobretudo da que está mais à Esquerda. A “jornada de luta” do 1º de Maio foi uma desilusão tão grande (obnubilada por uma simples campanha comercial), que era preciso esconder o fracasso a todo o custo.

Camilo Lourenço

1 comentário:

luis pessoa disse...

Mas este tipo ainda merece uma linha que seja? E ainda por cima neste blogue? Este cavalheiro defendeu sempre o neo-liberalismo económico e ainda hoje o defende com unhas e dentes, com a defesa da banca a todo o transe...
Ora abóbora!

Obrigado Pela Sua Visita !