BANCADA DIRECTA: O Teatro no Bancada Directa. Na rubrica “No Palco da Saudade” Salvador Santos recorda a grande actriz Madalena Sotto.

segunda-feira, 28 de maio de 2012

O Teatro no Bancada Directa. Na rubrica “No Palco da Saudade” Salvador Santos recorda a grande actriz Madalena Sotto.

In memoriam 
Madalena Sotto, de seu nome completo Maria Madalena Pereira Othão nasceu em Carvalhais de Lavos em 21 de Julho de 1916 e faleceu em Lisboa em 20 de Dezembro de 2011. 
Foi uma actriz do cinema, teatro e televisão portugueses. 

O Teatro no Bancada Directa. 
Na rubrica “No Palco da Saudade” Salvador Santos recorda a grande actriz Madalena Sotto. 


“No palco da saudade”. 
Madalena Sotto 
Texto integral e inédito de Salvador Santos para o blogue Bancada Directa
Filme "A Vizinha do Lado"


Ser actriz foi o seu sonho de criança. O pai, o professor e pintor Othão Luís, nunca a desencorajou. E a mãe também não. Quando deixaram a Figueira da Foz, era Madalena muito jovem, os pais fixaram-se em Oliveira de Azeméis para leccionarem na Escola de Artes e Ofícios (actual Escola Secundária Soares Basto). Muito vocacionada para as artes, a pequena Madalena frequentou naquela escola o curso de tapeçarias, disciplina que ali chegaria a leccionar mais tarde como “auxiliar de oficina”. Mas a sua grande paixão, o teatro, não esmorecia. Lia tudo o que podia sobre teatro: peças, biografias, revistas. A Cinéfilo, publicação muito em voga na época, continuava a patrocinar a descoberta de novos valores. Escreveu para a redacção da revista e foi convidada a prestar provas em Lisboa. Nascia assim a actriz Madalena Sotto! 


A sua primeira experiência como actriz aconteceu, assim, no cinema, em 1939, interpretando, ao lado do cançonetista Manuel Brandão, o documentário “Dois Corações… Um Destino”, de J. Oliveira Santos, uma curta-metragem que tinha por objectivo mostrar as belezas da Figueira da Foz, sua terra natal. Por essa ocasião, o seu amigo e jornalista Artur Inês apresentou-a ao realizador Leitão de Barros, que ficou rendido à sua beleza invulgar e vivacidade surpreendente. A sua estreia mais a sério deu-se por isso no papel de Madalena no filme “A Varanda dos Rouxinóis”, nesse mesmo ano. No elenco contava-se com uma dupla de peso, António Silva e Maria Matos, que se defrontaram pela primeira vez como rivais no grande ecrã, e o par romântico era formado por um novo galã, Oliveira Martins, e por… Madalena Sotto. 
Filme "Três espelhos"


A partir deste filme, rodado na sequência do sucesso popular de “Maria Papoila”, o país ficaria deslumbrado com Madalena Sotto, seguindo com desvelo todos os seus passos seguintes. O público do Porto acorreu em grande número à sua estreia no teatro, em 1940, esgotando lotações, fascinado pela sua magnífica interpretação ao lado de Alves da Cunha, na peça “Os Velhos” de D. João da Câmara, no Teatro Sá da Bandeira. Aquele magistral actor ficou tão deliciado com a contracena da jovem actriz que acabaria por a convidar para quase todas as suas produções subsequentes. Madalena Sotto viria assim integrar o elenco de espectáculos como “O Primoroso” ou “A Ternura” e a contracenar com o mestre Alves da Cunha na última peça que este interpretou. Mas não se pense que a carreira artística de Madalena Sotto (Maria Madalena Pereira Othão de seu nome verdadeiro) se resumiu às suas colaborações com aquele genial actor (que recordaremos em próximas edições desta rubrica). A carreira da actriz foi longa e sobreviveu brilhantemente durante muitos anos ao desaparecimento do seu padrinho de cena. 


Em 1945 ela ingressou na companhia Amélia Rey Colaço-Robles Monteiro, onde permaneceu até ao final do ano seguinte desempenhando grandes papéis em peças como “Otelo”, “Vidas Sem Rumo” ou “O Leque de Lady Windermere”. De seguida fixou-se no velho Teatro Ginásio, onde criou personagens inesquecíveis em peças como “A Farsa de Amor” ou “Multa Provável”, antes de engrossar, entre 1955 e 1960, o grupo de artistas ligados às produções do empresário Vasco Morgado. Com aquele empresário, Madalena Sotto fez comédia, drama, opereta e revista, sendo de destacar a sua prestação em “O Sedutor” (ao lado de Igrejas Caeiro), “Joana D'Arc”, “A Severa” (ao lado de Amália Rodrigues) e “Sempre em Festa”. 
Filme "A Varanda dos Rouxinóis".


Nos anos 1960 a actriz integrou o elenco fundador de uma célebre companhia subsidiada pela Câmara Municipal de Lisboa, que tinha como sede de trabalho a Estufa-fria, onde pontificava também o saudoso e brilhante actor Augusto de Figueiredo. Nesta companhia, Madalena Sotto conheceu alguns dos melhores dias da sua carreira profissional, dando vida a personagens de grande dimensão humana, como aconteceu por exemplo em peças como “Recompensa” e “Casa de Pais”, tendo esta última esgotado lotações e merecido honras de transmissão televisiva em horário nobre. 


Madalena Sotto foi presença regular na RTP (nas saudosas Noites de Teatro) e convidada para o elenco de sete filmes portugueses, sendo que um deles (“A Vizinha do Lado”) lhe valeu o Prémio do ex-SNI para a melhor actriz do ano. Mas foi no teatro que ela se deu por inteiro e com uma devoção quase de sacerdócio, tendo pisado os palcos dos teatros de quase todo o país e ex-colónias. A actriz decidiu, porém, retirar-se muito cedo das luzes da ribalta, sem queixumes nem alaridos ou falsos vedetismos. E quando a morte a levou, em 20 de Dezembro de 2011, com a bonita idade de noventa e cinco anos, a comunicação social fez um estranho silêncio sobre o acontecimento. 


O esquecimento que recaiu sobre Madalena Sotto é compensado pela homenagem da gente da sua terra de adopção, Oliveira de Azeméis, que perpetuou o seu nome na Biblioteca Escolar de que é patrona. E para ajudar a romper de vez o silêncio que se abateu sobre a sua memória, aqui fica a nossa modesta e singela homenagem.


Salvador Santos
Porto 2012. 05. 21

2 comentários:

Anónimo disse...

A atriz Madalena Sotto não faleceu em 2011. Está viva, a residir no Porto, numa residência para idosos. Ainda hoje a vi muito bem disposta.
Porto, 2014-06-10

Leonor Areal disse...

Gostaria muito de poder entrevistar Madalena Sotto. Poderá o gentil Anónimo indicar-me como a encontrar, onde reside?
Muito obrigada,
Leonor Areal
leonor(ponto)areal(arroba)gmail.com

Obrigado Pela Sua Visita !