BANCADA DIRECTA: Fragmentos e Opiniões. O nosso cronista António Raposo diz de sua justiça e indigna-se porque Portugal está a empobrecer. Só para alguns, claro !

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Fragmentos e Opiniões. O nosso cronista António Raposo diz de sua justiça e indigna-se porque Portugal está a empobrecer. Só para alguns, claro !

Fragmentos e Opiniões.
O nosso estimado cronista António Raposo diz de sua justiça e indigna-se porque Portugal está empobrecer.
Só para alguns, claro!

AGORA OS POLITICOS VEM PROPOR QUE SEJAMOS MAIS POBRES…
(Então porque é que não nos dão o exemplo?)

A crónica indignada de António Raposo

Temos que empobrecer disse há dias um deles com todos os dentes da boca. Não sei quem foi que disse mas todos andam a dizer o mesmo por outras palavras. Gastámos demasiado. Ficámos com dívidas. Vivemos acima das nossas posses.

Para darmos a volta ao problema é muito simples: precisamos produzir mais do que consumimos. Só isso! Ao contrário do que dizem os coveiros mascarados de políticos o que devemos fazer é produzir. Produzir para se poder consumir!

Se vivemos acima das nossas posses então a culpa é de todos os políticos que nos governaram e que não nos avisaram para o facto. Mas se vivemos acima das nossas possibilidades, gastamos mais do que produzimos, então como se justifica que haja a circular pelas nossas auto-estradas tantos carros de alta cilindrada? Tantas casas de luxo.

Tantas exibições de luxo nas festas do jet-set?

Se somos tão pobres como justificar que tenhamos aviões Falcon para os nossos políticos passearem pelo mundo? Não poderão viajar em aviões das companhias?

Se não estamos a pensar fazer guerras para quê a aquisição de material para esse fim?

Expliquem-me para que servem milhões enterrados em submarinos, em navios de guerra, em aviões de combate, em tanques. Para quê a tropa? Para defender a nossa independência? Qual? Se já vendemos tudo sem guerra nenhuma. Agora já não são precisas guerras para se conquistar um País

Está quase tudo nas mãos dos estrangeiros. Os bancos e as grandes empresas.

Se não vendemos tudo o que tínhamos vamos vender não tarda nada o que resta. O que ainda tem valor. Vamos desaparecer como Nação e transformamo-nos em mais um dos estados unidos da Europa. Capital em? Bandeira? Seremos uma estrelinha na dos E.U.Europa.

Se foi para isto que nos meteram na União Europeia sem nos dizerem nada então eu não aceito.

Este País eu não compro. Mas também não quero que mo vendem!


Um abraço para os meus amigos leitores
Antonio Raposo
Lisboa. 2011. 12. 03




2 comentários:

Anónimo disse...

Muito bem Raposo!
Um abraço
Gustavo

Adriano Ribeiro disse...

Doutor Gustavo Barosa
Obrigado pelo seu comment.
As crónicas de Antonio Raposo primam por uma realidade analitica muito concreta e ajustadas à situação de crise de valores morais em que vivemos.
Abraço e obrigado
Adriano Rui Ribeiro

Obrigado Pela Sua Visita !