BANCADA DIRECTA: Cronicando ao Domingo

domingo, 6 de novembro de 2011

Cronicando ao Domingo

Dois apontamentos críticos de Bancada Directa neste Domingo arrevesado de sol/chuva e vento. Frio, nem por isso.



José Miguel Júdice

Advogado mediático da nossa praça. Conotou-se sempre como fervoroso adepto do PSD, embora nos últimos tempos se tenha desviado para outras conotações politicas, para obter interesses pecuniários.

Pensava-se que fosse falar à Televisão sobre o mediático crime de Maricá em que o seu colega e também conotado com o PSD Duarte Lima está acusado do seu cometimento pela Justiça brasileira. Pensava-se que ia falar desse caso, mas enganámo-nos. Desilusão autentica.

O que Júdice foi à Televisão dizer é que já está afastado de Sócrates e que agora apoia Passos Coelho, a quem reconhece a rara qualidade de não cometer erros. E Júdice também não comete, principalmente depois que deixou de ser comentador político profissional e se tornou um homem de negócios. Pelo meio não falou muito bem de Cavaco. Que mais poderia Relvas desejar de quem tão bem sabe interpretar a defesa da causa pública? Relvas vai ter que retribuir. Naturalmente, claro!


Duarte Lima

O Procurador-geral da República nada tem a dizer sobre Duarte Lima ser, à luz do direito penal internacional, um foragido da justiça. Pelo menos deveria explicar aos portugueses que eles não podem matar compatriotas ou não, impunemente no Brasil. Eu acho – e não preciso de ir aos livros esclarecer-me, que um crime de homicídio cometido por um português em qualquer parte do mundo também é crime em Portugal. Não. Achou que não valia a pena. Mandou, para nossa completa tranquilidade, a Dra. Cândida Almeida dar explicações. E então ela lá nos disse que o processo penal português não se não move pelo princípio da oportunidade…

Claro! Isso já todos percebemos e sabemos. Temos esse sentimento

Mas que a Justiça portuguesa não pode ficar indiferente aos acontecimentos, lá isso não pode!...……



Adriano Rui Ribeiro

1 comentário:

luis pessoa disse...

Júdice, o "cata-euros", sempre no seu melhor, sempre com quem está na mó de cima! O que também é difícil, entenda-se!
Num país de lideres sem coluna vertebral, o que se esperava?

Da justiça, da nossa justicinha, com letra bem pequena, o que haveria também de se esperar? Os nossos magistrados do topo são fabricados da mesma matéria-prima dos líderes acima referidos!

Estão bem uns para os outros!

A sorte é que já ninguém espera nada deles, nem dos Judices, nem das Cândidas, nem dessa gente.

Mais tarde, quando os cidadãos começarem a fazer a JUSTIÇA pelas suas próprias mãos, vamos ouvi-los a mandarem postas de pescada, claro, se tiverem tempo!

Obrigado Pela Sua Visita !