BANCADA DIRECTA: Fragmentos e Opiniões. Luis Pessoa analisa a verdade deste país. E porque as verdades têm de ser ditas.

domingo, 18 de setembro de 2011

Fragmentos e Opiniões. Luis Pessoa analisa a verdade deste país. E porque as verdades têm de ser ditas.



Fragmentos e Opiniões.


Luis Pessoa analisa a verdade deste país.


E porque as verdades têm de ser ditas.

O senhor Passos Coelho, primeiro-ministro de Portugal segue a senda subserviente dos seus antecessores, a começar por Cavaco Silva. Quem não se lembra dos "bons alunos da Europa" com que se gabava o então primeiro-ministro Cavaco? Ser bom aluno era aprender depressa a dizer que sim a tudo o que nos quisessem "vender".

Assim aconteceu com os milhões que diariamente entravam no país, destinados a formação profissional, a desenvolvimento estrutural, etc., que foram quase em exclusivo canalizados para o alcatrão, sob a batuta de um ministro sem qualidade nem nível, chamado Ferreira do Amaral.

Assim se deu cabo de milhões que deveriam ter sido aplicados no desenvolvimento: da marinha mercante, que praticamente acabou; da frota pesqueira, praticamente liquidada; da modernização total da cp, virada para as mercadorias, que nunca se verificou; da melhoria das qualificações dos trabalhadores portugueses com uma formação profissional efectiva e real, que nunca houve; etc.
Ao invés, Cavaco Silva e o seu governo, incentivaram o abate das frotas, a troco de dinheiro da europa; o abandono das nossas produções, quer industriais quer agrícolas, como pretendiam os países europeus que tinham tudo para nos vender; a formação profissional a brincar, só para entrarem os milhões a ela destinados pela Europa e que produziram algumas das fortunas hoje existentes...

Vem a propósito uma cena passada comigo, por isso não contada por ouvir dizer, ocorrida nos tempos em que eramos os bons alunos da Europa, como apregoava Cavaco Silva, para quem toda a Europa estava rendida ao brilhantismo dos resultados obtidos por cá, certamente graças à competência e qualidade desse homem que nunca se enganava e raramente tinha dúvidas:
Ia eu na Rua Augusta quando fui abordado por uma moça de boa figura e falas mansas, que me acenou com 50 contos (para quem chegou a este país mais recentemente, algo como 250 euros, mas que naquela altura valeriam mais de 500, certamente). O que eu tinha a fazer era, só, tirar ali mesmo ao lado uma fotocópia do BI, do cartão do contribuinte e assinar uma mei dúzia de papéis onde declarava que tinha frequentado um curso de formação profissional numa área qualquer, que já não recordo! Assinava, entrgava as fotocópias, recebia as 50 notas e pronto, mais um cidadão nacional com competência numa área, fosse ela qual fosse!

Hoje, com a Europa no estado em que está, fruto das responsabilidades de governos sucessivos, ainda há espaço para pessoas como a chanceler alemã, como o presidente francês, como a caricatura italiana ou para pessoas como o primeiro-ministro ou o presidente da república de Portugal, que insistem em mais do mesmo? E já nem falo no homem que jurou ter visto as armas de destruição no Iraque (que mais ninguém conseguiu ver!)e que como prémio por ter tão boa visão é, ainda hoje presidente da comissão europeia?

Com um friso de personagens com tanto fedor bafiento e tão vazios de novas ideias, que apenas recomendam e impõem mais e mais do mesmo, ainda haverá alguém que se interrogue como foi possível chegarmos a este ponto?

Marinhais. Quinta-feira. Setembro 15. 2011
Luis Pessoa

12 comentários:

Carol@s disse...

Como foi possível chegarmos a este ponto, mas mais incrivel ainda, ninguém ter respondido pelo que fez.
Rouba-se um sabonete numa loja, vai-se a tribunal e esta gente?
Mas nós portuguesinhos somos um povo feliz, como ontem li numa crónica bem conseguida, somos todos donos de um banco e de uma ilha, afinal queixamo-nos de quê??

Anónimo disse...

Perfeitamente de acordo...
E, agora, armam-se em vítimas e salvadores da pátria. Coveiros dos pobres, eis o que eles são
Gustavo Barosa

Anónimo disse...

Prezado leitor
Tem muita razão. Por isso Luis Pessoa está a pôr o dedo nas feridas.
Custa a reconhecer as verdades, mas elas são bem reais.
Em matéria de culpados por esta situação, devemos ficar de fora quanto a isenção de culpas? Pensamaos na nossa desmotivação em pôr na ordem estes senhores.
Fique bem e obrigado pelo seu “comment”
Adriano Rui Ribeiro

Anónimo disse...

Caro amigo Dr Gustavo Barosa
Sábias considerações as suas
Obrigado pelo seu "Comment"
Abraço.
Adriano Rui Ribeiro
nota; este meu comment, assim como o anterior,vai metade como anónimo, porque a minha máquina deve estar aflita com uns míseros 32 graus.

Anónimo disse...

…E vá lá que não têm novas ideias. Para nos porem onde estamos, as que
tiveram têm bastado. Nisto, de facto, deixámos de estar na cauda da
Europa. Com mais ideias novas, destas que costumam ter…
Saudações
Cristiano Cerol

Adriano Ribeiro disse...

Tal e qual, amigo Cristiano
Abraço
Adriano Rui Ribeiro

Anónimo disse...

"sarg.Estrela" disse...
claro que tudo o que foi escrito pelo Luís Pessoa se enquadra naq realidade dos factos. Isto é na verdade que nos é mostrada,pelos "media"ao seu jeito e intersses.Vejam e só a título de exemplo a dívida da Madeira, não para de crescer.....
Disse fim de citação.
!sarg.Estrela"

Anónimo disse...

Todos estes senhores falam bem, mas se estivessem no poleiro faziam todos o mesmos
Quando se ocupam lugares de topo a grande dificuldade é alterar o sistema.
Sei bem do que falo
Cumprimentos para si e sua familia
Maria de Lourdes Bonito. Amadora

Adriano Ribeiro disse...

Amigo Sargento Estrela
Claro que o que o Luis Pessoa diz enquadra-se bem na nossa realidade actual
Obrigado pelo seu "comment"
Abraço.
Adriano Rui Ribeiro

Adriano Ribeiro disse...

Dona Maria de Lourdes
Quando a senhora era minha aluna não me lembro das suas convições politicas. Para este caso até nem interessa.
Concretamente estes senhores quando vão para os lugares de topo de governação deste país, eles não tentam combater o sistema. Eles já fazem parte do sistema.
A excepção era José Sócrates. Quando foi para o Governo tentou logo combater o sistema, mas depressa foi envolvido por ele e de repente era a figura maior desse famigerado sistema. Lamentavelmente.....
Fique bem minha senhora
Adriano Rui Ribeiro

luis pessoa disse...

Meu caro Onaírda:
É verdade que a luta contra sistemas não cola muito em Portugal. Repare que pela primeira vez temos como primeiro-ministro e como líder da oposição dois produtos acabados da produção "jotinha". Finalmente temos dois indivíduos integralmente formatados nas escolas dos partidos, por conseguinte de quem não é de esperar qualquer rasgo ou brilhante ideia e muito menos
lutar pela alteração de sistemas onde estão a ser tão felizes!
Um luxo!

Adriano Ribeiro disse...

Tem toda a razão amigo Luis
Abraço
Onaírda

Obrigado Pela Sua Visita !