BANCADA DIRECTA: Pois é! A história é da carochinha, mas.....A crónica de Antonio Raposo

terça-feira, 31 de março de 2009

Pois é! A história é da carochinha, mas.....A crónica de Antonio Raposo


HOJE APETECE-ME ESCREVER UMA HISTÓRIA DA CAROCHINHA


Com o 25 de Abril assistimos a grandes mudanças. Mexidas fortes nos costumes.
Alteração dos habituais intervenientes políticos. Já não eram mais os homens
cinzentões que atravessaram o antigo regime.

Apareceram uns rapazes pobres, de origens modestas que tiveram a oportunidade de tirar um cursinho de Direito.

Uns Engenheiros que a muito custo conseguiram chegar ao canudo.

Felizmente que com o 25 de Abril os pobres puderam – alguns – chegar mais perto de uma profissão que os guindasse à ribalta política. Um curso não é obrigatório, mas ajuda á dialéctica.

Apareceram muitos por via dos partidos de esquerda.

Depois, como a esquerda não conseguia chegar ao poder e era o poder que eles queriam, marimbaram-se nos partidos de esquerda e fizeram as malas para quem lhes proporcionasse mais-valias.

Formaram-se nas escolas da luta política estudantil. Com estandartes vermelhos e na primeira oportunidade deram o saltinho para o coito. Para a paz dos sortudos.

Alguns passaram pelo poder de forma rápida porque era mais o dinheiro que lhes interessava e os lugares de governo só abrem portas e dão contactos.

Hoje conheço uma boa centena deles que estão bem na vida.

Diria mais: estão óptimos!

Se não tinham onde cair mortos e hoje andam a regurgitar campos de golfe, então algum milagre dos pães multiplicou os seus haveres. Mas, não foi a trabalhar. Foi a mover influências e na troca de favores.

É por isso que muitas vezes as pessoas não acreditam nos políticos.

Eu acho que têm razão. Não acha?

Antonio Raposo

3 comentários:

Anónimo disse...

Parabens amigo e senhor.
Só vejo neste texto a verdade,só a verdade e nada mais que a verdade.
Gosto dos seus textos. Estou a spera de utr a seguir. Haverá?
Luis Carlos. Marrazes.Leiria

Onaírda disse...

Olá Luis Carlos
Como vês o autor da crónica bate muito, mas o pior é que sempre acerta.
Comenta aqui, não escrevas!
Abraço. Onaírda
Em relação ao Tromba Rija não sou cliente habitual. Fui lá há alguns anos com o meu rapaz a pagar, e por aí me fiquei. Mas foi excelente.

Anónimo disse...

Muita treta e pouca substância. O autor só diz o que qualquer analfabeto passa a vida a dizer. Bate, bate e não diz nada. É muito fácil bater primariamente.

Obrigado Pela Sua Visita !