BANCADA DIRECTA: O saber não ocupa lugar: Temas de Medicina: Faça uma automedicação responsavel!

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

O saber não ocupa lugar: Temas de Medicina: Faça uma automedicação responsavel!

O saber não ocupa lugar:

Temas de Medicina.

Faça uma automedicação responsável!

Bancada Directa introduz este tema com uma nota:
Publicámos no passado dia 12 um “Temas de Medicina” relativo a problemas de garganta com o titulo “Recuperar a suavidade perdida”. Recebemos um comentário de um anónimo, que defendia a automedicação, dizendo que tinha misturado vários comprimidos num copo de água, daqueles simples para as dores, tinha gargarejado e engolido um pouco dessa mistura líquida. Sentiu-se melhor e as dores de garganta passaram.
Sujeitámos esse “comment” ao nosso clínico de apoio, que mais ou menos nos disse o seguinte: Não merece resposta. Publique um post sobre os perigos da automedicação e dar-lhe – à uma resposta indirecta.
É o que estamos a fazer. Onaírda

“A auto medicação é a utilização de medicamentos não sujeitos a receita médica de forma responsável, sempre que se destine ao alívio e tratamento de queixas de saúde passageiras e sem gravidade, com a assistência ou aconselhamento de um profissional de saúde”.

Esta é a definição que consta do Despacho nº 17690 de 10 de Agosto de 2007, onde, igualmente, se diz que a utilização destes medicamentos é hoje uma prática integrante do sistema de saúde. A automedicação aparece associada a sintomas e em caso algum pode decorrer de um diagnóstico médico. O aconselhamento por profissional de saúde tem a ver com os riscos de segurança e efectividade dos medicamentos.

Seja qual for o medicamento, exigindo ou não receita médica para ser dispensado, tem sempre efeitos secundários e interacções e está fortemente desaconselhada a sua utilização banalizada.


A prática da automedicação não deve ultrapassar um escasso número de dias, está desaconselhada a grávidas, mães que amamentem crianças e idosos vulneráveis. Entende-se que a auto medicação responsável contribuirá para a consciencialização dos autocuidados em saúde, evitará consultas inúteis aos serviços de saúde sobrecarregados e pressupõe a toma de medicamentos não sujeitos a receita médica, assim classificados tendo em conta a avaliação da sua segurança.

Os medicamentos que aparecem como alvos principais da auto medicação estão destinados a combater dores ligeiras e estados febris moderados, os destinados à tosse e resfriados, estados gripais, os que se aplicam a certas perturbações digestivas (prisão de ventre, diarreia, ardor no estômago…), às fadigas passageiras (vitaminas e tónicos) rinites alérgicas sazonais (diagnosticadas pelo médico), aftas, hemorróidas, queimaduras solares, verrugas, problemas cutâneos moderados, entre outros.


De acordo com o Despacho acima referido, a lista de situações é muitíssimo maior, abarcando os sistemas digestivo, respiratório, cutâneo, nervoso/psique, muscular/ósseo, geral, ocular, ginecológico e vascular.

As limitações da automedicação

Não há medicamentos inofensivos, tomar medicamentos envolve sempre um risco. Recorde-se que os medicamentos só devem ser tomados quando há uma real necessidade, ou seja, quando o medico os prescreve após a avaliação do estado do doente ou quando o farmacêutico os recomenda para alivio de um mal-estar ocasional. Há públicos mais vulneráveis que outros às interacções dos medicamentos.

Foi dito acima que as crianças, as grávidas, as mães que amamentam e os idosos não podem praticar automedicação. E por razões compreensíveis nos bebés e crianças, um erro na dosagem poderá criar lesões irreversíveis ou ser mesmo fatal; as grávidas sabem que só devem tomar medicamentos sob estrita vigilância médica pois os medicamentos podem prejudicar o normal desenvolvimento do seu bebé (a simples toma de complexos vitamínicos não se deve fazer em regime de automedicação, por exemplo uma dosagem elevada de vitamina A pode afectar o feto); quanto às mães a amamentar, importa também não esquecer que alguns medicamentos passam através do leite materno para o organismo do bebé, há medicamentos que podem inibir a lactação; passando para a população sénior onde se toma, regra geral, três vezes mais medicamentos sujeitos a prescrição médica que as outras faixas etárias, o que aumenta o risco de ocorrência de interacções entre medicamentos.

Por outro lado, à medida que se avança na idade, os mecanismos reguladores do corpo perdem eficácia, e a resposta dos seniores aos tratamentos medicamentosos e à maneira como o organismo metaboliza os medicamentos altera-se.

Valorizar o aconselhamento farmacêutico

Compete ao farmacêutico transmitir ao doente os benefícios sobre uma automedicação segura e responsável, ajudando-o a distinguir o que é uma doença sem gravidade, e como deve ser tratada, das manifestações que requerem prontamente de uma consulta médica.

É a qualidade da informação prestada pelo farmacêutico que poderá levar o doente a cumprir disciplinadamente o tratamento que lhe é proposto. Este aconselhamento deverá processar-se, tanto quanto possível, respeitando a privacidade do dente. O espaço confidencial tem exactamente esse objectivo.


Este aconselhamento consolida a confiança que deve ter na automedicação, estreita o diálogo entre o utente e o farmacêutico, facilitando ao profissional de saúde saber mais sobre os antecedentes e a origem do mal estar, qual a sua duração, em que condições julga o doente que se agravou o seu problema, que os medicamentos já foram eventualmente tomados e se há outros sintomas que lhe estejam associados.

Este aconselhamento e a disponibilidade do doente para prestar informações e do farmacêutico para dar o devido aconselhamento constituem uma responsabilidade partilhada que pode assegurar ao doente o tratamento com efectividade e segurança, permitindo até completar a informação que vem no folheto que acompanha obrigatoriamente o medicamento.

Questões da escolha e segurança

Medicamentos não prescritos são todos aqueles que podem ser comprados sem receita médica e que se destinam exclusivamente a aliviar sintomas ligeiros. A dispensa com conselho é tão importante que acaba por definir a confiança que temos com o nosso farmacêutico. É que a escolha do medicamento tem obrigatoriamente que se fundamentar:

- Nas características gerais dos sintomas (ex. tipo de tosse, existência ou não de expectoração; característica desta)
- Com a idade do doente (criança, adulto, idoso).
- Com o estado fisiológico (gravidez, amamentação…)
- Com doenças concomitantes (hipertensão, diabetes, asma.)
-Com medicamentos prescritos para doenças continuadas
- Sensibilidades individuais (alergias, intolerâncias gástricas…)
- Com hábitos e estilos de vida (ingestão de bebidas alcoólicas, necessidade de condução automóvel, utilização de maquinaria de precisão etc.)
- Reacções diversas ocorridas (diarreia, dores de estômago, sonolência exagerada, prisão de ventre).

Fonte. Revista Farmacia e Saude 147. Dezembro 2008

Sem comentários:

Obrigado Pela Sua Visita !