BANCADA DIRECTA
BANCADA DIRECTA

quarta-feira, 16 de Abril de 2014

Tomem lá mais umas amendoazinhas de Páscoa! É sempre a aviar e é um fartar vilanagem. É a unica coisa que está em crescimento neste país é o constante aumento de custo de vida!


“No Palco da Saudade” é uma rubrica de Salvador Santos fundamentando-se na recordação de figuras que engrandeceram o nosso Teatro e que já desapareceram do nosso convívio. Hoje recorda-se Isabel Alves Costa. É o Teatro no Bancada Directa

 In memoriam

Isabel Alves Costa nasceu no Porto em 3 de Julho de 1946 e faleceu em Monção subitamente em 15 de Agosto de 2009. Preparava-se para gozar um curto período de férias quando foi vitima de um ataque súbito e mortal

Foi uma grande figura do nosso teatro no campo da representação,encenação e direcção.
   


“No Palco da Saudade” é uma rubrica de Salvador Santos fundamentando-se na recordação de figuras que engrandeceram o nosso Teatro e que já desapareceram do nosso convívio. 
Hoje recorda-se Isabel Alves Costa. 
É o Teatro no Bancada Directa 

“No Palco da Saudade” 
Texto inédito e integral de Salvador Santos 
Teatro Nacional de São João. Porto 

ISABEL ALVES COSTA
O pai, Henrique Alves Costa, cinéfilo militante e fundador do Cine Clube do Porto, passou-lhe o gosto pelas artes e pelos espectáculos. No liceu, ela integra a associação de estudantes e participa activamente na luta académica de 1962. 

Um ano mais tarde, com apenas dezassete anos, ruma a Paris, onde se exilara pouco tempo antes o seu namorado e primeiro marido, José Mário Branco, e deita mãos a vários ofícios. 

Trabalhou em laboratórios de produtos farmacêuticos e em requintadas lojas de perfumes, mas as artes do palco eram a sua grande paixão e decidiu inscrever-se num curso de teatro em Paris, onde viria a criar a Liga Portuguesa do Ensino e da Cultura Popular, que se dedica fundamentalmente à produção e apresentação de espectáculos. 

Foi como actriz que Isabel Alves Costa se iniciou nos palcos e foi nessa qualidade, mas também como activista política de esquerda, que ela desenvolveu um trabalho absolutamente meritório junto da comunidade portuguesa em França, numa altura em que se verificou a primeira grande vaga de emigração por deserção da guerra colonial. 
Tempos da Revolução dos Cravos. José Mário Branco, marido de Isabel Alves Costa regressava a Portugal vindo de França onde se encontrava exilado. À sua chegada vê-se a sua mãe agarrado a ele e a esposa Isabel  ao seu lado esquerdo empunhando ao alto o braço. Lá atrás reconhece-se o Adriano e ao lado da mãe de Mário estão o Letria e Zeca Afonso

A par dessa intensa e múltipla actividade, ela soube sempre conciliar estudo, trabalho e vida familiar. Ainda em Paris, a família aumentou, com o nascimento dos seus dois filhos: Pedro Branco, nascido em 10 de Julho de 1965, que é hoje professor do ensino básico e músico amador; João Branco, nascido em 1 de Julho de 1968, que é hoje director artístico e encenador do Centro Cultural Português do Mindelo, em Cabo Verde.

 Com a queda do antigo regime, pela qual se bateu vigorosamente ao lado de muitos outros artistas e criadores das artes e das letras, ei-la de regresso a Portugal quando o país já vivia em festa, com multidões, cravos e sorrisos nas ruas. Há uma fotografia que marca esse dia e que ficará na memória colectiva da Revolução. Consigo regressavam do exílio algumas das vozes mais combativas e esclarecidas do nosso canto libertador. 
Foto de família. Isabel Alves Costa e José Mário Branco junto dos seus filhos. Pedro e João. (foto retirada do blogue Café Margoso de João Branco, filho de Isabel)

À chegada ao aeroporto de Lisboa, a eles juntaram-se outros combatentes da liberdade pela canção. E nessa foto, podem ver-se em destaque José Mário Branco, agarrado a sua mãe, Zeca Afonso e Isabel Alves Costa. Esta tem os olhos fechados e o seu corpo prolonga-se num punho erguido, como se fora um grito para um novo tempo. Na sua cidade do Porto, Isabel Alves Costa começou então um longo processo de colaborações variadas no universo do espectáculo. 

Umas das primeiras propostas de trabalho na área da representação teve origem na peça de João Loio “Hoje Começa o Circo!”, cujo encenador, João Mota, a convidou de imediato para integrar o elenco d’ A Comuna, em Lisboa. 

Ela recusou, porém, o convite e decidiu abandonar os palcos como actriz, função a que só retomaria muito mais tarde, vinte e cinco anos depois, a convite do encenador Nuno Carinhas, para interpretar a personagem Maria Vassilievna Voinítskaia da peça de Anton Tcheckov, “Tio Vânia”, levada a cena no Teatro Carlos Alberto, que ela considerou como uma espécie de cumprimento de um desejo adiado. 
Saudades da minha mãezinha! João Branco junto de sua mãe Isabel Alves Costa

Na verdade, o desejo de retomar os palcos como intérprete esteve sempre latente em tudo que o foi fazendo como pedagoga, programadora e directora artística, funções que privilegiou nos últimos trinta anos do seu percurso artístico. A criação do Festival Internacional de Marionetas do Porto (FIMP) terá sido a sua maior paixão, evento a que se abalançou após o doutoramento em estudos teatrais, em 1997, na Universidade de Sorbonne. 

Entretanto, já ela tinha assumido a função de directora artística do Teatro Rivoli, após a sua precária reabertura como teatro municipal, a convite da ex-vereadora da Cultura da Câmara do Porto, Manuela Melo. Desafio esse que se tornou empolgante após as obras de remodelação e adequação do espaço às múltiplas linguagens cénicas. 

Durante os anos em que esteve à frente Teatro Rivoli, Isabel Alves Costa transformou-o numa sala de espectáculos de referência da cidade, sobretudo nas áreas da dança e do novo circo. Graças à sua programação, que teve sempre como grande preocupação a criação de novos públicos, passaram por aquele espaço alguns dos maiores criadores internacionais e nacionais, proporcionando-lhes as melhores condições de trabalho. 

Paralelamente foi mantendo em actividade o FIMP, programou as artes de palco no Porto 2001-Capital Europeia da Cultura e envolveu-se, em 2005, na fundação das Comédias do Minho, um projecto que ainda hoje se afirma como um exemplo único de descentralização, envolvendo cinco municípios de Viana do Castelo. 
O anterior presidente da Câmara do Porto não percebeu a importância do Teatro Rivoli para a cidade, ao serviço de uma cultura urbana plural, cosmopolita e de qualidade, e entregou a sua concessão a um privado apostado numa programação basicamente comercial. 

Este processo (que Isabel Alves Costa descreve no livro “Rivoli 1989-2006”) debilitou-a profundamente, mesmo a nível físico, como ela reconheceu em entrevista ao jornal Público: «[Foi] muitíssimo sofrido. As pessoas não têm noção de como estas coisas nos marcam o corpo (…) 

Tenho de virar muitas páginas para o meu corpo voltar a ter um funcionamento mais ou menos normal». Inesperadamente, a 15 de Agosto de 2009, a morte levou-nos Isabel, uma das grandes promotoras e divulgadoras do nosso teatro e uma programadora cultural com um raro sentido de serviço público. 

Salvador Santos 
Teatro Nacional de São João. Porto
Porto. 2014. Abri. 15

Salvador Santos
O autor deste texto
Grande amigo do blogue Bancada Directa
Uma figura de referencia no actual panorama do teatro português

terça-feira, 15 de Abril de 2014

Vamos esquecer hoje os cortes inevitaveis que por aí vêm sem apelo e nem agravo. Vamos ouvir um Halleluia formidavel cantado pelo Padre Ray Kelly, irlandês, num casamento

Recordar é Viver! Os antigos cinemas de Lisboa e o que hoje eles são. Cine Royal

 Royal Cine.
Ficava ali mesmo no meio da Rua da Graça
Fazia parte do Bairro Estrela de Ouro cujo via principal era a Rua de São Gens que terminava no Jardim da Capela do Monte
Na fachada do edifício ainda se vê uma Estrela que representava o bairro
Foi inaugurado em 1929.
Lá se realizavam os melhores Carnavais de Lisboa pois havia dois grandes salões para dançar e brincar.
Hoje é um supermercado.
O Royal em 1977
Carnaval no Royal. Anos trinta já nos princípios da década de quarenta

Hoje é um supermercado

segunda-feira, 14 de Abril de 2014

Um “chico-esperto” chamado Durão Barroso. Anda a ver se a rapaziada já se esqueceu que abandonou o país de tanga para ganhar um chorudo vencimento na União Europeia

 Um “chico-esperto” chamado Durão Barroso 

Este fulano veio a Portugal na semana passada, tal como já tinha cá estado muito recentemente. Não há qualquer dúvida que o fulano, apesar de ter dito na entrevista para o Expresso que não estava no seu horizonte qualquer cargo politico em Portugal, a verdade é que o fulano dá mesmo mostras de andar a sondar cá a rapaziada sua correlegionária para se candidatar à Presidência da Republica. 

E tem já o beneplácito de Cavaco e Passos Coelho. Destas intenções de Barroso deram especial ênfase os comentadores televisivos da sua ideologia politica Marques Mendes e Marcelo Rebelo de Sousa 

O que me espanta é que o fulano deu especial atenção à necessidade de haver um consenso entre os Partidos do arco da governabilidade e em contradição ao que afirmou não convidou o leader do Partido Socialista o principal visado para a necessidade deste consenso. 
Contradições num individuo que prima por atitudes nem sempre dignas do cargo que tem. E por isso é que os seus comparsas o puseram fora do próximo mandato europeu. Outro aspecto negativo neste individuo foi a sua atitude de favorável “apologia do fascismo”! 

Dou a palavra ao tema”A defesa do fascismo” hoje publicado num blogue. 

A defesa do fascismo 

Imagine-se que alguém na Alemanha se lembrasse de elogiar as auto-estradas nazis ou as bombas V2 como dois bons exemplos dos avanços conseguidos pelo nazismo, o mínimo que poderia acontecer-lhe seria ser processado porque por aquelas bandas a defesa do nazismo é crime. 

E elogiar os aspectos positivos de um regime, como se os negativos fossem um mero inconveniente não é mais do que a defesa desse regime. Se essa pessoa fosse o presidente da Comissão Europeia estaríamos perante um escândalo e o mais provável era o governo alemão exigir a demissão do imbecil. 

Acontece que o imbecil é português, que no passado foi defensor de outras ditaduras e enquanto estudantes foi um modelo de extremismo doentio mas não foi à Alemanha elogiar o nazismo, veio a Portugal elogiar as virtudes do fascismo, ignorando a história e falando como se os portugueses fossem pacóvios. 

Uma vergonha para Portugal e uma vergonha porque temos um governo que aprece alinhar com os tiques do seu candidato presidencial

domingo, 13 de Abril de 2014

Pensionistas e Idosos (MURPI). Protestam porque com estes cortes falta-lhes dinheiro para comprar medicamentos, enqunto os maiores andam sempre em constantes viagens. Agora é para a China!........

Pensionistas e Idosos (MURPI). 
 Sem dinheiro-para-os-medicamentos-em-protesto, enquanto os maiores andam sempre em constantes viagens. 
Agora é para a China!........ 

Milhares de reformados e pensionistas começaram a desfilar cerca das 15h desde a Praça do Município rumo ao Rossio, em Lisboa, em protesto contra os cortes nas pensões. 

"Não e não ao corte da pensão", "somos muitos, muitos, mil para continuar abril" e "a saúde é um direito, sem ela nada feito" foram algumas das palavras de ordem entoadas pelos manifestantes, cerca de dez mil, segundo a organização. 

"Esta é uma demonstração massiva dos nossos pais e avós contra os cortes", disse Arménio Carlos, secretário-geral da CGTP, no protesto, em directo para a SIC Notícias. "Muitas vezes estas pessoas nem têm dinheiro para os medicamentos", acrescentou. 

A marcha "Por Abril, Contra os Roubos nas Pensões", em Lisboa, que começou na praça do Município e terminou na praça do Rossio, teve, após os discursos habituais, grupos de cantares de diferentes associações de reformados, entoando "Grândola, Vila Morena", canção de José Afonso que serviu de senha ao movimento dos Capitães de Abril. 

Realizaram-se igualmente marchas no Porto e em Faro, assim como concentrações em Coimbra, Guimarães e Covilhã, num protesto organizado pela Confederação Nacional de Reformados,

Para mim e para nós todos hoje é Domingo. E para mim a "Luta continua"! Mas hoje vamos dar lugar ao folclore minhoto com o tema "Vira de Cruz" do Grupo Regional Folclórico e Agrícola de Pevidém- Guimarães

O meu 25 de Abril. O problema não é dos militares: é de nós todos. E assim queremos que os militares amigos da Revolução falem nos lugares em que o Povo os possa ouvir

O meu 25 de Abril. 
O problema não é dos militares: é de nós todos. E assim queremos que os militares amigos da Revolução falem nos lugares em que o Povo os possa ouvir 

Confesso que já não gostava muito da senhora e dos seus comportamentos autoritários para com os cidadãos que se manifestavam nas galerias do Parlamento a sua indignação para com aqueles que prejudicam com as suas Leis os mais carenciados desta população amargurada 

E agora com esta atitude de não deixar falar os militares aquando da sessão comemorativa do 25 de Abril no Parlamento ainda mais deixei de gostar dela. Estou farto das suas atitudes nada democráticas. 

O problema é deles, disse com a categoria de quem quer demonstrar que “pode, quer e manda”! O outro bem disse que “ai aguentam, aguentam”. Mas os militares não estão dispostos a aguentar. E vão falar sobre a Revolução do 25 de Abril num local onde o povo possa estar com eles. .
Os militares que fizeram o 25 de Abril vão intervir publicamente no dia em que se celebram os 40 anos da Revolução dos Cravos. "Iremos preparar uma intervenção e vamos torná-la pública no dia 25 de Abril. Ainda não decidimos qual vai ser o local", Vai ser por aí| 

Há nos homens, e neste caso, mulheres, cujo problema é deles, mais massa óssea na coluna vertebral do que em todos os que os ofendem, mais sabedoria e experiência de vida do que nos oportunistas que os desprezam, mais coragem e amor à Pátria do que os que julgavam ser sua a pátria alheia e não lhes perdoam a liberdade de que não sentiam falta. 

O conteúdo da intervenção vai ser debatido pelo militares "no âmbito da Associação". "Não tenho por hábito preparar as intervenções de forma isolada, mesmo que no final seja eu a redigi-la", refere Vasco Lourenço. 

Sobre a reacção do Aguiar Branco, digo que já nos habituou a este comportamento e refrões de frases antecipadamente feitas para todas as ocasiões. Mas nunca se esqueça que foram os militares que lhe deram a oportunidade de dizer as asneiras que vai dizendo", afirmou outro militar representante dos oficiais.. 
Entretanto, o grupo parlamentar do partido socialista pediu a Assunção Esteves a convocação de uma conferência de líderes por causa da ausência dos capitães de Abril na cerimónia oficial no Parlamento. Em carta dirigida a Assunção Esteves e assinada por Alberto Martins, líder da bancada, os socialistas escrevem que "a pretensão dos capitães de Abril de falar na sessão solene do 25 de Abril tornou-se um facto público que a Assembleia da República deve apreciar em tempo útil." 

Assunção Esteves afirmou, esta quinta-feira, que convidou a Associação 25 de Abril para estar presente - e "só" isso - na sessão solene comemorativa da revolução e que se os militares impõem a condição de falar "o problema é deles 

Triste triste, muito triste!........ .

sábado, 12 de Abril de 2014

O Benfica e a sua formação de futebolistas no bom caminho. Vitória sobre o Real Madrid por 4-0. Os juniores do SLBenfica são finalistas da UEFA Youth League




O Benfica e a sua formação de futebolistas no bom caminho. Vitória sobre o Real Madrid por 4-0. Os juniores do SLBenfica são finalistas da UEFA Youth League 

Até Rochinha já tem formação técnica para marcar penalties à moda do Panenka

O Barcelona será o adversário do Benfica na final da UEFA Youth League, marcada para a próxima segunda-feira, dia 14 de Abril.
No Complexo Desportivo de Colovray, na cidade suíça de Nyon, a equipa espanhola venceu o Schalke por 1-0. O único golo do encontro foi apontado pelo avançado Munir El Haddadi, o melhor marcador da prova, agora com nove tentos.

O tento, apontado ao minuto 72, teve assistência de Mohamed El Ouriachi, que estava em campo há apenas dois minutos.

O Barcelona será, assim, o adversário do Benfica, que poucas horas antes tinha goleado o Real Madrid por 4-0

A final da Youth League está marcada para as 15h30 da próxima segunda-feira e será transmitida pela TVI24.

sexta-feira, 11 de Abril de 2014

Descaradamente eles bem dizem que o país está em crescimento! Pudera: com tanto dinheiro recebido em impostos......



Em 2013, Portugal atingiu uma carga fiscal sobre os salários de 41,1%, acima da média dos 34 países, que ficou nos 35,9%, depois da introdução da sobretaxa de IRS e da diminuição dos escalões

Portugal foi o país da OCDE que mais aumentou a carga fiscal sobre o trabalho em 2013, depois do “enorme” aumento de impostos decidido pelo ex-ministro das Finanças, Vítor Gaspar.

De acordo com um relatório hoje divulgado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) sobre impostos e salários, Portugal teve no ano passado um aumento de 3,5 pontos percentuais, quando o crescimento médio dos 34 países se situou nos 0,2 pontos.

Em 2013, Portugal atingiu uma carga fiscal sobre os salários de 41,1%, acima da média dos 34 países, que ficou nos 35,9%, depois da introdução da sobretaxa de IRS e da diminuição dos escalões.

Na prática, isto significa que mais de 40% do salário bruto de um português, a ganhar um ordenado médio, serve para pagar impostos ou contribuições para a segurança social.

Do total de 41,1%, de acordo com a OCDE, 13,1% ficam nos impostos, 8,9% diz respeito às contribuições para a Segurança Social e 19,2% refere-se à Taxa Social Única (TSU) paga pelo empregador.

Entre os países, Portugal apresenta-se como tendo a décima segunda carga fiscal mais elevada, de uma lista liderada pela Bélgica e pela Alemanha (com cargas fiscais de 55,8% e 49,3%).

Acima de Portugal estão também Áustria, Hungria, França, Itália, Finlândia, Suécia, República Checa, Eslovénia e Grécia (apesar da diminuição de 1,35 pontos percentuais em 2013).

Nas últimas posições da tabela estão o Chile (7%), a Nova Zelândia (16,9%), o México (19,2%), Israel (20,7%), a Coreia do Sul (21,4%), a Suíça (22%) e a Irlanda (26,6%).

De acordo com o relatório da OCDE, em 2013, a carga fiscal sobre os salários avançou em 21 dos 34 países da organização, caiu em 12 e permaneceu inalterada em um (Chile).

A carga fiscal nas famílias com filhos e apenas um titular de rendimentos penalizou sobretudo Portugal, a par da Nova Zelândia, ambos a registar um aumento de 1,9 pontos percentuais, seguidos pela Eslováquia, com uma subida de 1,8 pontos percentuais, enquanto a maior queda foi em França e na Holanda (1,5 pontos percentuais).

Quando a segurança social e os benefícios são considerados, os pais solteiros com dois filhos depararam-se em 2012 com um sistema tributário consideravelmente mais progressivo, voltando Portugal a constar entre aqueles em que a situação mais se agravou.

Por estas terras de Aveiro. As nossas selecções para eventos futuros




Por estas terras do Minho. A nossa selecção dos eventos que se aproximam. Participem




Portugal. 3º lugar no ranking da FIFA. Para mim não me interessa alcançar esta posição, interessa-me, isso sim, mantê-la

A selecção portuguesa de futebol subiu hoje ao terceiro lugar do ranking da FIFA, que continua a ser liderado por Espanha, campeã mundial e bicampeã europeia.

De acordo com a lista divulgada hoje no sítio oficial do organismo na Internet, Portugal subiu um lugar comparativamente à lista publicada a 13 de Março, igualando a melhor classificação de sempre, que antes ocupou entre Abril e Maio de 2010 e em Outubro de 2012.

Entre o restante grupo de elite das 10 melhores selecções, as maiores protagonistas foram Argentina, que caiu da terceira para a sexta posição, que agora partilha com o Brasil, anfitrião do Mundial2014.

A Grécia, selecção orientada por Fernando Santos, entrou no ‘top-10’ e passa agora a fechar este grupo, graças a uma "promoção" de três degraus.

Entre os adversários de Portugal no Grupo G do Mundial2014, a Alemanha mantém a segunda posição, os Estados Unidos subiram do 14.º para o 13.º lugar e o Gana perdeu três posições, figurando este mês em 38.º.

O Irão, treinado pelo português Carlos Queiroz e que também está qualificado para o Mundial2014, continua a ser a melhor selecção asiática, subindo este mês cinco posições, o que lhe permite surgir em 37.º.

A próxima actualização do ranking está agendada para 8 de Maio.

Por amor de Deus! Minha senhora não concretize o gesto. Apesar de não gostarmos de si, não queremos que morra porque é um ser humano!.....


Minha senhora
Vamos lá "a" deixar de utilizar gestos como este!
Criam-nos esperanças de que a nossa vida vai melhorar!

Obrigado Pela Sua Visita !